Última Semana à Feirar

Última semana de Feira, tantas coisas aconteceram nos últimos dias. As duas amigas presenciaram a retomada de tradições antigas, afinal a Feira de São Mateus em 2019 tem a missão de ser a Feira dos Reencontros. Uma das tradições foi a famosa gincana de motas antigas que acontecia no Picadeiro. Fisca e Maria Tata a viram acontecer no meio do Picadeiro, com vários olhares curiosos sob aquelas relíquias sobre rodas. A criatividade do povo viseense, que conseguiu transformar uma atividade que poderia ser perigosa, afinal é uma corrida de motas, em uma prova extremamente difícil e segura. Vejam, ganhava a prova aquele condutor que conseguisse fazer o percurso em menor velocidade possível sem pousar seu pé no chão.

Quando Fisca e o Capitão falavam em modernizar a Feira com pórticos, novas barracas e organizar os espaços em zonas e ruas, jamais imaginariam que essa forma de pensar o espaço viraria também uma tradição. As zonas da restauração, diversão, artesanato e palco são hoje tão bem divididas, tornando-se fácil de se movimentar pela Feira. E falando em tradições, as amigas presenciaram também as cavalhadas, que desfilaram com seus bombos em um ritmo sonoro contagiante pelos caminhos da Feira. E finalmente o famoso Carnaval de Ovar, e queridos leitores, essa experiência era, de certa forma, uma das mais aguardadas pelas duas amigas. Apesar de muito antiga, todos haviam falado em como “agora era diferente” com um misto de culturas e músicas muito interessante. Informaram até que algumas escolas inspiravam-se no carnaval brasileiro com muito samba e passistas. E se isso não era algo para ser ansiado, amigos, Fisca não sabia o que era! 

Chegada a grande noite, ao fim de um dia movimentado com viseenses na Feira, reencontros de famílias e muitas brincadeiras para crianças, Fisca e Maria Tata viram o desfile acontecer. Ficaram maravilhadas com aquelas pessoas vestindo alegorias que desfilavam diante de seus olhos. E realmente foi um misto de cultura, música que representava a cultura ibérica em seu esplendor e o samba, com passistas à desfilar, a porta bandeira, as baianas. A banda, que seguia junto ao grupo, descendo a avenida do Picadeiro. E claro que nossa querida tubérculo, Maria Tata, não via a hora de aprender alguns passos rápidos para poder desfilar também.

As amigas ficaram completamente inebriadas com tamanha energia, as músicas, as fantasias, a alegria dos que desfilavam. Realmente, a Feira de São Mateus respira e transpira cultura, não só a portuguesa mas todas, há espaço para tudo e todos. Fisca sentia-se completamente abraçada, a saudade dos seus amigos e do seu tempo era forte, porém, no Ano da Graça de 2019, havia tanto para ver, conhecer, falar e fazer, que preenchia sua alma e confortava seu coração. Os viseenses são, e sempre serão, o melhor do povo português.

E em meio a todas essas aventuras, Fisca sentia que seu tempo para aproveitar o dia-a-dia na Feira estava cada vez menor. Uma semana, apenas sete dias para aproveitar a convivência com todos os novos amigos, a rotina de vir para a Feira, dar uma volta na zona das diversões, andar nos Carrinhos de Choque, comer tripas doces, um pão com chouriço e beber um Sumol de maracujá, edição limitada. Depois, comprar farturas e dirigir-se ao Palco para apreciar o concerto da noite. Com sorte, poderiam cruzar-se com algum amigo ou personalidade famosa, já que as duas agora eram influenciadoras digitais. Iniciava-se assim, então, a última semana a Feirar. Eu, narrador que vos falo, fico na expectativa que as novas aventuras sejam tão boas como as que já narrei por aqui. Vejo-os logo mais.